segunda-feira, 4 de julho de 2011

Geração WiFi

Me amarrotem que eu estou P A S S A D A!

Daí que eu fui num restaurante e lá tinha uma área infantil. Beleza, Aurora começou a perturbar porque agora tá numa onda de querer ficar engatinhando e pseudo-andando por tudo quanto é canto e eu acabei levando  ela pra brincar. A menina tentava interagir de tudo quanto era jeito com as outras crianças. Jogou bolinha, chamou com a mãozinha, fez dá dá dá, foi no pé da gurizada e nada. Deviam ter umas cinco crianças e todas, todas mesmo, estavam cada uma num canto jogando alguma coisa no vídeo game. Ninguém conversava, ninguém interagia e a Aurora lá, implorando por algum tipo de interação. Teve até uma menina que deu moral pra ela, mas a guria não queria saber de dividir os brinquedos e meio que tomou tudo da Aurora. Uma outra criança, sentada num canto pintando, não queria papo com ninguém. O pai chegou, tentou falar, e a guria lá, parecendo uma autista, sem dar atenção pra nada.

No lado das crianças que tavam jogando video game tinha um moleque que, sem brincadeira, no auge dos seus 8 anos falava mais palavrão que eu, e olha que sou boca suja pra caralh*. De "desgraçado" pra baixo. Juro, nunca ví isso!

Fiquei pensando... Gente, nessa época eu queria mais era saber de correr e me sujar, e não de ficar igual uma demente na frente do vídeo.

O garçom até tentou trazer um dvd pra Aurora e ela, pro orgulho da mamãe, não prestou atenção nem 2 minutos. O negócio dela é fazer arte, brincar com palitinhos de sushi, rasgar papel, dar papá pra gente, fazer barulinho com copo de plástico, enfim, nada dessas tecnologias (graças a deus!).

Isso sem contar as galeras em mesas adjacentes siacabando cada um com o seu blackberry no facebook, twitter e afins. MUITO difícil conversar! Aí fica cada criança no seu respectivo vídeo game e os pais, por sua vez, cada um com seu celular conectado na internet. Quer dizer, pra quê interação social né? Daí depois nego reclama de deficit de atenção, dda e etc. ÓBVIO que vai ficar com DDA. Não aprende a interagir! Desde cedo plugados em seus respectivos pc's, com pais que não conversam e uma avalanche de informação rápida (internet). Estranho seria se não ficassem com sequelas.

Eu AMO tecnologia, adoro pc e me policio muito pra não virar uma tele-tonta e nem deixar meu vício pela internet atrapalhar minha interação social com quem eu amo, mas putz, eu nunca fui assim. Acho um exagero nego que come o tempo todo na frente da tv, que conecta no orkut de 5 em 5min e que, no final das contas, acaba deixando de conversar com que está sentado ao lado pra ficar falando com nego que tá lá no paquistão.

Sabe, eu tinha uma amigona que toda vez que eu ía dormir na casa dela, lá tava ela na frente do pc, conversando com gente da finlândia, alaska e butão e eu alí, parada atrás dela, migalhando um pouco de atenção, implorando pra ela desligar 5min e conversar comigo. Fico pensando que daqui há uns anos as interações sociais vão ficar restritas à telas e teclados. E eu e a Aurora aqui, querendo brincar, torcendo pra luz acabar e desconectar geral para, enfim, podermos interagir.

bem que o Quino tava certo...










No final das contas, morar na roça tem suas vantagens. Lá pelo menos essas coisas ainda não tão populares e as crianças ainda vão umas nas mesas das outras pra chamar os amiguinhos pra brincar.
Sorte a delas!

4 comentários:

Kira! disse...

Sabe que você me fez lembrar de uma coisa, me lembro que das poucas vezes que sai para algum lugar que tinha essas areas infantis, com meus pais, eu nunca ia. Porque eu era meio tonta e meus pais morriam de medo das outras crianças me sacanear.
E eu tenho isso com a Bia, quando tem outras crianças e ela vai brincar, seja onde for, parque, praça, eu sempre fico em cima, porque morro de medo de alguma criança machucar ela.

Outro ponto é, sou super viciada em twitter e tudo mais. Porém não consigo ficar twittando do celular ou qualquer coisa do tipo, ainda acho que celular é para telefonar, e no máximo mandar msg.
Porque meu, vai lá, você sai com seus amigos, familiares,etc, e fica na internet, caramba!

Mas essas crianças não são anormais, so estão seguindo o exemplo dos pais, nada mais normal. INFELIZMENTE não são todos os pais que pensam um pouco no tipo de exemplo que estão dando.


Beijos
http://parabeatriz.blogspot.com

Mandinha disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Amanda disse...

A tecnologia tem seu lado positivo e negativo, infelizmente o negativo "predomina".
É um vício surreal, antigamente as brincadeiras eram saudáveis, de vídeo game lembro daquele do Pac Man...
Os pais por preguiça de brincarem com os filhotes acham mais prático dar um video game, um computador porque assim a criançada fica quieta super focadas na telinha e que de fato é o que acontece, mas, isso esta acabando com essa nova geração porque além de tudo isso essa pimpolhada não sabe dar valor a nada. Não sabem que o melhor esta no mais simples, e sem contar que tem um belo de um português né? AHUAHAUHAUHAUHAU

Pequenos Mimos disse...

Infelizmente as crianças são reflexos dos pais, eles ficam vidrados no video game e os pais na internet, celulares e afim...
Fora que pra muitas mães é bem mais fácil deixá-los na frente dos video games do que passar um tempo com a criança, educá-la né?
É muito triste isso...
bjs
www.pequenosmimosdapri.blogspot.com