domingo, 20 de maio de 2012

Amamentação prolongada: matéria da folha comentada

Não pude deixar de me indignar ao ler essa matéria super tendenciosa da folha. Num Brasil com taxa de amamentação exclusiva de 23 DIAS (isso mesmo que vc leu!), aonde pediatra indica leite artificial por qualquer motivo banal (aliás, essas mesmas empresas de leites artificiais financiam congressos, pagam férias em resorts pros médicos e etc), é no mínimo engraçado sair uma matéria dessas. O artigo na íntegra tá aqui: http://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/1092702-maes-que-amamentam-os-filhos-por-mais-de-dois-anos-causam-controversia.shtml


"Controversa, a amamentação prolongada vem sendo adotada por muitas brasileiras adeptas do movimento chamado Criação com Apego (Attachment Parenting), que também prega que os pais durmam junto com os filhos até quando eles quiserem."

Controverso, pra mim, é deixar os filhos o dia inteiro com a babá. Controverso é dar NAN pro peito não cair, controverso é pediatra indicar leite artificial pra bebês gordos, magros, que não dormem a noite inteira, que dormem a noite inteira e, em suma, pra crianças que não precisam. Attachment Parenting (criação com apego), não se resume a dormir com os filhos. Muitos pais criam os filhos com apego e não dormem com eles. Não sei porque isso causa tanto espanto, sendo que em várias culturas isso é o normal e o ideal (afinal de contas, é um suplício acordar 10 vezes e madrugada e ter que levantar e ir até o outro quarto pra dar de mamá). Esses estudos que eu vou colar o link a seguir afirma que crianças que dormem com os pais choram menos e sofrem menos de cólicas aquiaqui e aqui. Controverso pra mim, continua sendo largar a criança na frente da TV, enchê-las de engordantes (mucilons da vida), açúcar, chupetas e tantos outros que ninguém nunca cita, afinal, criar nesse estilo alimenta toda uma cadeia de produção industrial, enquanto criar uma criança com apego requer apenas peito e boa vontade, ambos de graça.

""Não há estudos que apontem prejuízo às crianças que são amamentadas acima de dois anos. O momento de parar é uma decisão entre mãe e filho e está muito relacionada a fatores culturais", diz a pediatra Graziete Vieira, do departamento de aleitamento materno da SBP.
Segundo ela, pesquisas mostram que, quanto maior o tempo e a dose de amamentação, mais proteção imunológica terá a criança.
Na prática, porém, a maioria dos pediatras é avessa à proposta do aleitamento prolongado. "É uma aguinha com um pouquinho de sabor. O leite já não tem mais a mesma quantidade de nutrientes", diz o pediatra Cid Pinheiro, professor na Santa Casa de São Paulo.
Ele também aponta possíveis prejuízos nutricionais. "Se a criança for mamar em horário próximo a uma refeição, pode perder a fome e não se alimentar corretamente."

Vamos começar esclarecendo que o leite, após os dois anos, não vira uma águinha com sabor, pelo contrário. O leite muda sua composição, pois a criança não necessita mais de tanta gordura quanto nos primeiros anos. A tabela de composição do leite materno, segundo a OMS (organização mundial de saúde) após os dois anos é essa: 



Então eu diria que esse pediatra, no mínimo, precisa começar a estudar as recomendações da OMS e se informar mais e melhor. Não vale seguir a tabela da Nestlé viu? 
E engraçado isso, se o leite vira uma "aguinha com sabor", seria meio controverso a criança ficar sem fome por mamar, não? Decida-se se alimenta ou não ok Dr.? E sim, está relacionada a fatores culturais amamentar prolongadamente ou não. A nossa sociedade machista, inescrupulosa e excrota é que determina que os bebês sejam desmamados bem antes de 6 meses. Sabia que a taxa de amamentação após 1 ano de vida é de mais ou menos 1%? Pois é, e mesmo assim as crianças continuam cheias de problemas psicológicos, os consultórios estão sempre cheios e a indústria farmaceutica cada vez lucra mais. Não é raro ver crianças de 10 anos tomando Rivotril (eu conheço alguns casos), então, assim, arrume outro fator pra explicar ok? pq se menos de 1% mama até 1 ano de idade, imagino que a taxa de crianças que mamem até os dois anos ou mais seja menor do que 0,0001%, ou seja, deveriam ter apenas 0,0001% de crianças em consultórios psquiátricos, o que não é verdade. Se as crianças estão cada vez mais dependentes, a gente pode tecer outras associações do tipo: crianças órfãs de pais vivos (aqueles pais que trabalham 40h por semana e quando estam em casa, a babá está sempre presente), crianças que ficam muito tempo na TV (existem alguns estudos, que eu não tenho em mãos mas é só colocar no google, que apontam como fator relevante o fato da criança ficar exposta a TV e relacionam o mesmo com aumento da agressividade e outros), enfim, uma série de outros fatores. Culpar a amamentação prolongada por todos os males da humanidade é muito né? 

"Para o pediatra, crianças que mamam no peito ou dormem na cama dos pais com "com cinco, seis, sete anos" podem ter prejuízos psicológicos. "Será que é esse tipo de segurança que elas precisam dos pais? Será que não estamos postergando o amadurecimento delas?""
Minha mãe visitou uma tribo, os Tucanos da aldeia de Balaio, no estado do Amazonas, em que todas as crianças ficavam grudadas nos pais o dia inteiro. Se não estavam com os pais, estavam no colo de irmãos. Todos dormiam juntos na mesma maloca. As crianças mamavam até quando lhes aprouvia. Engraçado que eu nunca ví nenhum indiozinho com problemas sexuais ou psicológicos por mamar até "estar muito grande" ou então por dormir com os pais, pelo contrário. São esses mesmos indiozinhos que dormem com os pais e que mamam "até tarde", que entram no mato cheio de cobras e rios com vários bichos, que caçam onças e ajudam os pais a derrubarem árvores enormes de açaí. Então, diz aí Dr., quais são os problemas mesmo que amamentar prolongadamente e dormir com os pais causam? Será que não é o nosso modo de vida excroto que causa prejuízos psicológicos nas crianças? Será que não é a nossa vida corrida, sempre sem tempo pra brincar, sem respeitar os ciclos naturais das nossas crianças, que causam esses prejuízos e essa dependência toda? Não sei se existe algum estudo científico sobre isso, mais 90% das crianças "grandes" que ainda mamam e que eu conhecí eram perfeitamente saudáveis e muito mais independentes. Não sei se existe relação entre amamentar e dormir junto com crianças mais independentes, mas por experiência própria, acho que criar com apego dá sim mais segurança pra criança, pois ela sabe que sempre que precisar os pais vão estar lá, disponíveis e assecíveis. Aurora nunca chorou frente a uma situação difícil, raramente estranha alguém e sempre tem muita confiança pra explorar ambientes novos. Independência, pra mim, é amarrar os sapatos sozinho, escovar os dentes sem ajuda, ter curiosidade pra explorar ambientes novos, saber escolher que roupa quer usar. Acho meio forçado demais querer que uma criança pequena não seja dependente da mãe. Se ela não for dependente da mãe aos 4, 5 anos, vai ser quando? A gente só sai da casa dos nossos pais e passa a viver a nossa vida dos 20 pra cima (alguns mais cedo, outros mais tarde), e mesmo assim vc quer que seu filho seja independente aos 2 anos de idade? Sério, acho que vc precisa muito rever conceitos.

"No entanto, para a psicóloga especialista em educação Roseli Caldas, professora da Universidade Mackenzie (SP), o aleitamento prolongado distancia as crianças da vida social real e pode ser um risco à autonomia delas. "A gente não precisa disso para estar com o outro", diz."
Engraçado isso, pois o que eu vejo é que minha filha, que é amamentada e dorme comigo e com o pai, tem muito mais curiosidade pra fazer novas amizades e interagir com outras crianças do que as outras crianças não amamentadas e que dormem em berço que eu conheço. Falar isso é generalizar demais as coisas, pois cada criança é única com sua personalidade e seu jeito de viver a vida. Existem crianças que são sim mais apegadas aos pais, assim como tem outras que não são, e acho que isso independe de amamentar ou dormir junto. Esses dois fatores, pra mim, contribuem sim para uma criança ser mais segura, mas dizer que todas as crianças que são criadas com apego tem a vida social e autonomia prejudicadas, é muito achismo pra mim. E é óbvio que a gente não precisa mamar pra estar com o outro, mas até certa idade a gente precisa sim mamar pra sentir que estar com o outro. Ou você acha que mamar é meramente nutritivo? Criança mama pra ter aconchego da mãe, pra ter carinho, além de nutrição, óbvio, e pra mim, negar isso a uma criança é a mesma coisa que negar afeto. Os outros mamíferos todos mamam até a idade em que, pros humanos, seria o equivalente aos 7 anos, e nenhum deles tem prejuízos sociais, de autonomia ou qualquer outro tipo de problema sexual relacionado à amamentação prolongada. 

"Segundo ela, a amamentação é um vínculo de suprimento, que só cabe quando a criança é pequena. "Depois, deve ser substituído por outras mediações. As pessoas têm que estar juntas não só pelo suprimento da outra, mas pela presença."
Isso também cabe para o dormir compartilhado. "A criança precisa criar o seu espaço e respeitar o do outro"
Então, quando vc casar, vá dormir sozinha ok? Assim vc cria o seu espaço e respeita o do seu marido! :)
E que outras mediações seriam essas? Uma mamadeira cheia de leite de vaca? Porque, assim, dar mamadeira, pra mim, é uma continuação da amamentação no sentido de que a criança não desmamou, apenas trocou o peito por outra coisa pior e mais prática (e rentável pro mundo capitalista), e a maior parte das crianças toma mamadeira (ou copinho com leite) até os dois anos ou mais. Aliás, conheço pouquissímos adultos que não tomam leite de vaca. A diferença é que eles tomam leite no copo. Então se a criança tomar o leite da mãe no copo, vai deixar de ser "controverso" e passar a ser aceitável?

No mais, achei a matéria MEGA tendenciosa. Mesmo. O final até que foi legal e tudo, mas mesmo assim tendenciosa. Não consigo nem imaginar quem financia esse tipo de coisa #nestléfeelings.


E, na moral, acho que pra dar qualquer parecer sobre qualquer coisa, é preciso muita data, pesquisa e comprovações. Um "Dr." dizer pra mim que determinada coisa é assim porque "pela prática dele", ou "pela minha experiência" desqualifica completamente a argumentação! Se fosse assim, qualquer boteco na esquina ía poder dizer com propriedade qualquer coisa e isso seria aceitável. É pra isso que existem estudos científicos sérios e condutas baseadas em evidências científicas.


Enfim, acho que não precisa desse tipo de matéria pra desestimular ainda mais a amamentação. Na real nem sei pq esse povo se preocupa com isso, afinal de contas, a normose instaurada é sempre que "a vaca faz melhor do que você". Não precisamos de matérias da folha pra não amamentar, pois esse papel os pediatras já fazem muito bem.

7 comentários:

Ju disse...

Oi Aretha, muito prazer!
Sou a Juliana, começei a seguir seu blog há algumas semanas e gostei muito do conteúdo. Acho que seus textos tem um senso crítico muito bacana, parabéns.
Voltarei sempre que puder.
Bjs.

Aretha disse...

Juliana, prazer! Seja bem vinda ao blog! :D

Luzinete disse...

Muito bom Aretha!!
Por aí fica ótima a sua argumentação e crítica!
Está se especializando, se aperfeiçoando e se refinando.
Parabéns!!

Anônimo disse...

Quanta besteira!! Então quer dizer que a mae que não amamenta é Menos mãe??a mae que quer dormir sem criança de 3, 4....7 anos não tem amor pelo filho !! Acho estranho essa generalização de médicos que querem dar fórmula pra criança tive 3 filhos com pediatras diferentes e nunca me mandaram dar outra coisa a não ser o peito isso se eu me sentisse confortável com a amamentação. Acho que mãe é muito mais que esse monte de mimimi .Acho que cada caso é unico!!! Só postei como anonima pq tenho familiares que concorda com esse monte de chatice e não estou afim de discução

Paola Giannini disse...

Amei seu texto e nunca me esconderia sob o anonimato para apoiar tudo o que você tão bem colocou! Chamar de mimimi foi infantil e vazio, enquanto você ornamentou seu post até mesmo com menção a uma tribo indígena, que sofisticado e lindo! Parabéns pela lucidez, pela coragem e pelo brilhantismo!

Paola Giannini disse...

Amei seu texto e nunca me esconderia sob o anonimato para apoiar tudo o que você tão bem colocou! Chamar de mimimi foi infantil e vazio, enquanto você ornamentou seu post até mesmo com menção a uma tribo indígena, que sofisticado e lindo! Parabéns pela lucidez, pela coragem e pelo brilhantismo!

Flavia Pereira disse...

Morri de rir com teu texto. Acho que senti daqui tua revolta com o sistema ... parabéns ... precisamos de mais vc pelo mundo, pelas crianças!!! Amei